Rondônia, 18 de janeiro de 2017

NOTÍCIAS

11/01/2017 08:27

Porto Velho

Deputado propõe soluções para problemas na Polícia Militar

Parlamentar explicou que disponibilizaria recursos para ampliação de vagas do CFS II

Deputado propõe soluções para problemas na Polícia Militar

Durante reunião convocada para discutir diversos pontos sobre a PM de Rondônia, o deputado Jesuíno Boabaid (PMN), proponente do debate, criticou a participação mínima dos policiais militares na reunião realizada no Plenário da Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira (10).

Boabaid disse ser lamentável constatar que as reclamações e “burburinhos” são muitos, mas que na hora de comparecer para discutir assuntos de interesse da categoria são poucos os que se disponibilizam e demonstram interesse.

Entre os assuntos abordados pelo parlamentar, o aumento das vagas remanescentes do Curso de Formação de Sargentos II (CFS II), alterações na lei de promoções e também a criação de lei para regulamentar a jornada de trabalho dos policiais militares foram discutidos.

O deputado disse anteriormente que a desculpa para a não abertura das vagas para o CFS II era a falta de recursos, no entanto, o parlamentar lembrou que disse que destinaria R$ 1 milhão, porém, outros problemas foram apresentados pelo governo.

Jesuíno destacou que mantém diálogo tanto com o comando da PM quanto com o governo do Estado e que isso vem avançando nas ações em favor dos direitos da classe, mas ressaltou ser inaceitável que se exista a condição de chamar todos os policiais das turmas de 1998 e 2002, segundo grau, que foram prejudicados e isso não ocorrer.

O deputado ressaltou as lutas travadas enquanto parlamentar para que fossem extintas as classes, onde os salários dos policiais, independente de ano de formação fossem equiparados. Segundo Boabaid, desta forma não é justo não lutar para promover aqueles que têm direito por antiguidade baseado nos princípios da hierarquia.

Jesuíno Boabaid pediu união, sabedoria e paciência aos policiais militares. Afirmou levar seu trabalho a sério, onde luta por uma legislação que proíba o militar trabalhar de forma gratuita na sua folga. O deputado disse buscar a regulamentação da escala de serviço da categoria e trabalhar para deixar uma legislação consolidada para os militares “onde todos tenham condição de trabalhar e honra de dizer que é policial e é valorizado”.

A presidente da Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar de Rondônia (Assfapom), vereadora Ada Dantas (PMN), disse que desde quando ocorreu a promoção dos CFS I, ela havia comentado que buscaria a ampliação das vagas do CFS II. A vereadora ressaltou que independente de associação, tanto ela quanto o deputado, lutaram por justiça, ou seja, 100% por antiguidade.

Segundo a vereadora, o objetivo é buscar que todos os que foram prejudicados sejam promovidos. Ada ressaltou que muitos policiais já estão aptos a serem promovidos, uma vez que já exercem a função.

Segundo a presidente da Assfapom, vários empecilhos são impostos para a não realização do curso, no entanto, os custos seriam bem menores se a formação fosse realizada através de ensino a distância.

Após ouvir os policiais e discutir e analisar as possibilidades dentre todos os aspectos debatidos que possam trazer melhorias para a Polícia Militar, o parlamentar concluiu a reunião afirmando que apresentará as propostas elaboradas e apresentadas durante a reunião, ao governo do Estado.

Segundo o deputado, os militares concordaram que, no curso em formação EAD, não recebam a bolsa de estudo. Outro aspecto, ressaltou, é a questão que as 268 vagas sejam preenchidas conforme a lei diz, por antiguidade, ou seja, os que completaram 10 anos que sejam promovidos a cabo.

“Ficou traçada essa discussão para levarmos para o governo, solicitando a redução do tempo de curso presencial, para EAD. Outro ponto é sobre o militar soldado do curso de 2006, que seja promovido no ano de 2017, quando completa 10 anos de serviço”, finalizou o deputado.


Fonte:Decom





Comentários

O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Clique aqui e deixe seu comentário direto na página