Publicidade
Publicidade

13/11/2021 17:53h - Salvador - Coluna Social

Ator Wagner Moura é criticado por comer marmita de camarão em ocupação do MTST

Em evento de exibição do filme Marighella, Wagner foi recebido com marmita de comida baiana com camarão e vatapá.

O ator e diretor de cinema Wagner Moura foi assunto nas redes sociais neste sábado (13/11), após a repercussão de uma imagem em que ele aparece comendo uma quentinha com camarão. O registro foi feito em um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), na Zona Leste de São Paulo, durante a exibição do filme Marighella, dirigido pelo artista. Guilherme Boulos (PSol), ex-candidato à Prefeitura de São Paulo, compartilhou a imagem em sua página do Twitter. A publicação rendeu comentários de pessoas que questionaram o prato com camarão. “A quentinha com camarão foi só para ele ou foi para toda a galera? Esse é o MTST de camarão do Leblon”, escreveu um usuário da rede social. “Completamente descolados da realidade”, publicou outra pessoa. Outros usuários comentaram: “Eita, ocupação comendo camarão. Como ele é humilde”. A marmita continha iguarias baianas como vatapá, vinagrete, caruru e camarão. O ator é natural de Salvador, capital da Bahia. A comida foi preparada pelo restaurante O Acarajazz, que foi convidado pela coordenação do MTST para servir pratos típicos baianos durante a exibição do filme. “Nada melhor que uma comida que só conhecemos hoje graças a muita luta e resistência de um povo para celebrar a obra de Wagner Moura, ator, diretor e baiano assim como Marighella que dá título ao filme”, escreveu a página oficial do restaurante no Instagram. Veja a publicação:
“Direitistas raivosos” Após a repercussão da imagem no Twitter, Guilherme Boulos publicou outro comentário sobre o caso. O político disse que a situação mostra que o “bolsonarismo vibra com a fome”. “Direitistas raivosos com a foto do Wagner Moura comendo acarajé no prato na ocupação do MTST mostra que o bolsonarismo vibra com a fome e, acima de tudo, desconhece a cultura brasileira”, escreveu. Por Rebeca Borges
Publicidade

Fonte: Metrópoles

Publicidade

Notícias relacionadas